quinta-feira, junho 27, 2002

Ontem recebi uma “visita de corvo”. Chamo de visitas de corvo aquelas visitas que você faz quando sabe que uma pessoa está se acabando, depois de milênios sem aparecer. Sem tirar o mérito da visita, afinal, você pode estar sendo legal indo encontrar a pessoa depois de tanto tempo... Mas acho coisa de corvo aparecer somente quando a pessoa está definhando.
A Tia Dina me conhece desde pequeno, era bem chegada aos meus pais. Quando mudei de cidade pra fazer a faculdade, fui justamente pra cidade dela. Tia Dina foi a primeira da família a largar mão da família em nome da carreira. Saiu da cidadezinha onde fomos paridos, veio pra cidade grande estudar, estudar e trabalhar (e trabalhar). O esforço foi recompensado, e ela me ajudou bastante quando segui o mesmo caminho que o dela. Até a minha formatura... Por um lapso, acabei convidando-a muito em cima da hora, fato que a impediu de participar plenamente das cerimônias (ela não foi... mas mandou o presente :)
Bom, fiquei meio mal, mas a correria do dia-a-dia me fez esquecer disso. E o trabalho nos manteve separados por anos, até agora. Informada por minha mãe de que eu estava passando por maus bocados, Tia Dina resolveu deixar o orgulho de lado e pagar uma visita. Eu não estou definhando, é verdade (se bem que olhar minha geladeira dá vontade de chorar). O apê não estava como eu gostaria, este mês vou poupar diarista pra não comprometer ainda mais minha verba.
Recebi Tia Dina com um Chocomilk e uns biscoitos da padaria do seu Antunes. Confesso que foi um prazer revê-la. Apesar de todo o orgulho guardado, é bom ver uma cara amiga que vem te apoiar, independente do que aconteça. Mas ainda é muito cedo pra me dar por vencido, ainda quero tentar minhas chances, conseguir algo por mérito. De que vale o mérito hoje em dia? Ou você tem a peixada, ou está perdido. Não dá pra generalizar, é claro. Mas em certos mercados a regra é clara como diria o outro.
Tia Dina tem todos os contatos necessários para me encaminhar na vida. Mas o orgulho besta me impede de entregar meu destino nas mãos dela, e isso pode causar minha desgraça. Acho que este mês é o tempo exato pra definir o que quero da vida, a forma de pagamento e o prazo de entrega.
Falow.

Planilha de controle
Saldo anterior
R$ 735,00
Entradas
R$ -
SaídasR$ -
Saldo final
R$ 735,00

segunda-feira, junho 24, 2002

Ah, o fim de semana. Nada como um tempo pra espairecer, deixar de lado todos os seus problemas e só pensar em se divertir! Mas a ressaca da segunda-feira... Hoje paguei uma grana que estava devendo pro meu pai. Fiz questão de pagar, trezentos paus... Mas estava devendo pra ele, fazer o quê? Fui no banco e mandei ver o depósito... Com isso, além da continha do sábado e domingo, umas 50 pilas gastas com o maior prazer nas boites do centro, veio mais essa... Um soco no estômago do desesperado. Pelo menos não cortaram nada hoje, se bem que a água deve estar vencendo por esses dias...
Emprestei o jornal de domingo do vizinho, por contenção de custos. Os classificados não apresentavam nada que abrisse meu apetite para o trabalho assalariado, e a recessão do mercado faz com que eu não consiga seguir fazendo meus frilas... Isso somado ao fato de que estou precisando fazer amigos... Infelizmente, a indicação pode ser mais poderosa que a qualificação. Talvez devesse tentar conversar mais nestes bares por onde passo, e não só ficar cantando as jovenzinhas. Ou talvez devesse cantar as jovenzinhas contando com a sorte de os pais delas me indicarem uma função. Hmmm, mas daí eu teria que namorar... Deixa pra lá. Vamos tentar a primeira opção. Abraço, até mais...

Planilha de controle
Saldo anterior
R$ 1.085,00
Entradas
R$ -
Saídas
Night - R$ 50,00
Pagto. pai - R$ 300,00

Saldo final
R$ 735,00